quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

Pedagogia no Hospital? :O




Coloco um bloco ali. Outro bem aqui. O vermelho vai ficar mais bonito com o verde. Não! Com o azul. Vou fazer um castelo bem grande, porque tem que caber a mamãe, o papai e o Niky, meu super cão!
Uai mãe, que foi?
Eu hein, que doida! Vem aqui e fica pondo a mão na minha testa! Bom, deixa eu voltar a brincar...Vou colocar um árvore bem aqui, pra gente colocar um balanço depois, porque eu gosto de balançar, e também...
Ahhhh de novo? Por que a mamãe vem toda hora e fica fazendo essa cara feia? Não tô gostando disso...Agora, até eu tô me sentindo meio estranho! Que tá acontecendo?
Mamãe veio trocar a minha roupa. Vamos sair? Mas hoje não é fim de semana, o papai não está em casa...Sou puxado pela mão e levado para o carro. Na viagem, minha mãe só fala coisas que eu não entendo. Ela parece preocupada!
Ué...Não conheço esse lugar não! Tenho que ficar esperando num banquinho, e parece que todas as pessoas sentadas nos banquinhos estão tristes. Tem dodói? Onde? No coração ou no corpo?
Agora me levam para um moço estranho. Ele está todo de branco. Nem fala comigo direito! Minha mãe disse pra ele que eu estou com febre há dois dias e ando dormindo muito...O que é febre? Ué, eu durmo muito porque fico cansado de tanto brincar, mãe! Você não sabia?
Agora o moço estranho está colocando uma coisa fria no meu peito, nas minhas costas, outra debaixo do meu braço...E ninguém diz nada! Tô com medo mãe...O que vão fazer comigo?

(...)

Tive tanto medo que não me lembro direito das coisas...Mas muitas pessoas estranhas mexeram comigo, colocaram coisas estranhas em mim, até me furaram! Doeu muito, eu até chorei! Mas ninguém deu bola...E a minha mãe nem me deu comida na hora que eu sempre como, as vezes eu fiquei morrendo de fome, e me deram coisas ruins pra comer ao invés da comida da mamãe...Quero ir pra casa, quero brincar com meus amigos na escola!

Não sei quanto tempo já se passou. Acho que faz muito tempo. Mamãe fica pior a cada dia, com cara de quem está triste e quem dorme pouco. Ela que tá doente! Não sou eu! Aliás, ninguém me explicou até agora o que é que eu tenho...

Estou num quarto feio, todo branco, com uma coisa enfiada no meu braço. Não dói mais, acho que acostumei. Daí olho pra porta, e vejo uma moça sorrindo. Eu não conheço a moça, mas ela parece ser legal. Ela perguntou se podia entrar! Ninguém tinha perguntado!
A moça me falou o seu nome, e perguntou o meu também. Ela falou que não era médica - ufa, que bom! - e disse que gostava muito de criança. Ela perguntou se eu estava bem...Eu falei que sentia muito sono, mas que estava triste, porque a mamãe estava triste, e porque todo mundo faz coisas comigo mas ninguém pergunta como estou me sentindo. A moça sorriu e disse que as pessoas esquecem de me tratar bem porque elas estão trabalhando, e tem muitas pessoas para atender. Mas eu falei pra moça que não estava doente, que queria ir pra casa ficar com o papai e o Niky. Ela riu e disse que eu não parecia doente, perguntou do Nicky e depois disse que sabia porque eu estava ali. Ela me contou que eu estava ali porque um mosquito tipo aqueles pernilongos me picou, aí ele tinha um outro bichinho dentro dele que transmitia uma doença chamada Febre Amarela. Eu já vi na televisão! Disseram que era pra gente tomar vacina, mas a mamãe não me levou...A moça disse que eu só ia precisar ficar lá mais um tempo, para me tratar, mas depois eu ia ficar novinho! Daí ela trouxe e leu uma história pra mim, cheia de imagens coloridas. Adoro histórias com imagens!

Depois desse dia, a moça sempre vinha me ver. Ela levava brinquedos, histórias, e também levava uns exercícios legais para eu responder. Ela me contou que era professora. Legal! Um professor dentro do hospital! Eu fiquei muito feliz, porque estava com saudade da minha escola também. Aí eu aprendi um montão de coisas, e a mamãe também ficou feliz. Será que foi por que eu aprendi, por que eu estava melhorando ou por tudo junto? Acho que foi tudo. Só sei que ela ficou boa, que nem eu! A professora era muito legal, a gente brincava muito e ela me ensinou um monte de coisas. Depois todos os médicos e todas as pessoas do hospital já sabiam meu nome, e estavam felizes porque eu estava melhor. Eu falava com todo mundo! Só que aí disseram que eu já estava bom, e que eu podia ir pra casa.

Eu fiquei tão feliz! Minha casinha, meu pai e minha mãe. O Niky!!! Ahh, vou levar todos os meus desenhos pra ele ver. Mas...e a professora? Ela não vai estar na minha escola. Vou sentir tanta saudade dela! Ela chorou, disse que também vai sentir saudade de mim, e que eu fui um aluno maravilhoso. Na escola, disseram que ia ficar tudo bem porque tudo que eu precisava aprender no tempo que passou, eu aprendi com a professora do hospital. Eu aprendi que toda criança tem o direito de brincar, de aprender e de ter saúde, não importa onde ela esteja!
E tudo voltou como era antes! As vezes ainda fico doente, mas é rapidinho, não demora tanto, mas sempre procuro os professores que fazem as crianças felizes nos hospitais...

(Ilustração de minha autoria ^^ )

7 comentários:

Camila Garcia disse...

Olá
adorei o post.
me lembrou minha época de palhaça de hospital.
que gratificant ver alguém se recuperar.
Parabéns pelo blog.
vou voltar mais vezes.

um bjo
Camila

Dá uma espiadinha no meu
www.expressaexpressao.blogspot.com

vou seguir ok?

Paty Augusto disse...

Adorei o texto, querida!!! Muito gostoso de ler além de trazer algo muito importante que é o tratamento dos nossos pequenos sem ser de forma traumática...
Parabéns!!!
PS: A ilustração também é perfeita!!!

Anônimo disse...

hahahah tives bons minutos lendo teu post..




=).

Isa... Bela disse...

Amei a história!!! Mto boa!!! Parabéns pelo desenho tbm... mto bonito!!! Bjs e FELIZ 2010!!!

pRitt disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
pRitt disse...

Adorei a história. Muito boa mesmo. Quando olhei o desenho levei um susto (faço Pedagogia na UnB), mas adorei o desenho. Está lindo!!!
Blog muito bom! Parabéns!

pRitt disse...
Este comentário foi removido pelo autor.